"Reza quem é de rezar, brinca aquele que é de brincadeira
Quem é de paz pode se aproximar (...)"

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Resumo da palestra sobre "RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO: Desafios e propostas de combate na escola" - Prof.ª Márcia Fonseca


RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO:
Desafios e propostas de combate na escola
por Prof.ª Márcia Fonseca

A palestra é uma reflexão sobre o papel da escola e da formação do educador no combate ao racismo, preconceito e discriminação na Escola. Já que atualmente o grande desafio dos profissionais da Educação, é aquisição de práticas educacionais que possibilitem um conhecimento com fundamentações teóricas capazes de proporcionar ao educador uma percepção do meio e dos sistemas sociais, políticos e econômicos. Conclui-se que o preconceito racial é um problema que fomenta a exclusão social, ocasionando divergências no âmbito educacional, o que torna importante que os profissionais da Educação discutam esses grandes desafios.
Palavras-Chave: Educador; Preconceito; Discriminação; Racismo.

INTRODUÇÃO

Questões de gênero, religião, raça/etnia ou orientação sexual e sua combinação di­recionam práticas preconceituosas e discriminatórias da sociedade contemporânea. Se o estereótipo e o preconceito estão no campo das ideias, a discriminação está no campo da ação, ou seja, é uma atitude. É a atitude de discriminar, de negar opor­tunidades, de negar acesso, de negar humanidade. Nessa perspectiva, a omissão e a invisibilidade também são consideradas atitudes, também se constituem em discri­minação.

“AO PÉ DA LETRA”...
Racismo é uma ideologia baseada na superioridade de uma raça ou etnia (cor da pele ou outras características físicas) sobre outra. Portanto, o racismo tem como finalidade intencional (ou como resultado) a diminuição ou a anulação dos direitos humanos das pessoas discriminadas. Exemplo disto foi o aparecimento do racismo na Europa, no século XIX, para justificar a superioridade da raça branca sobre o resto da humanidade.
Os atos, valores e sistemas racistas estabelecem, velada ou abertamente, uma ordem  
hierárquica entre os grupos étnicos para justificar as vantagens ou privilégios gozados pelo
grupo que domina.
Como a própria definição expõe, “preconceito” é uma ideia preconcebida, “opinião não justificada, de um indivíduo ou grupo, favorável ou desfavorável, e que leva a atuar de acordo com esta definição”. (Enciclopédia Internacional de Ciências Sociais, 1995)
O preconceito, seja ele do tipo que for, é um atestado de insegurança, de autoritarismo, de absolutismo intelectual, enquadrando automaticamente em categorias classificatórias e pejorativas tudo aquilo que represente diferença. No fundo, viver em democracia está na proporção direta do quanto somos pessoal e coletivamente capazes de superar os nossos
medos.
O estereótipo é simplesmente o "rótulo" com que costumamos classificar certos grupos de pessoas, e é muito mais comum do que possa parecer. Os estereótipos são também uma maneira de “biologizar” as ca­racterísticas de um grupo, isto é, considerá-las como fruto exclusivo da biologia, da anatomia. O processo de naturalização ou "biologização" das diferenças étnico-raciais, de gênero ou de orientação sexual, que marcou os séculos XIX e XX, vinculou-se à restrição da cidadania a negros, mulheres e homossexuais.
(Curso de especialização em gênero e sexualidade/Organizadores: Carrara, Sérgio…[et al]. – Rio de Janeiro: CEPESC;Brasília, DF : Secretaria especial de políticas públicas para as mulheres, 2010.)
OS DESAFIOS
Entre os sec. XIX e XX, a sociedade brasileira enfrentou grandes transformações democráticas, econômicas e sociais que refletiram (e refletem) na estrutura, e em seu funcionamento, reflexo dos acontecimentos mundiais, como por exemplo, a redefinição dos papéis da mulher, da mão de obra escrava para assalariada, processo de miscigenação da nação, ridicularização dos afrodescendentes e nordestinos, diferença na distribuição de renda na população, o surgimento dos movimentos sociais, afirmação homoafetiva (“orgulho gay”), etc. tudo, tudo influência todos os segmentos da comunidade escolar:
. FAMÍLIAS
. ALUNOS
. FUNCIONÁRIOS
. PROFESSORES
. DIREÇÃO

Exemplo:
Os “bondes”, atitudes violentas e de extrema violência, comportamentos racistas, preconceituosos e discriminação, principalmente em relação ao negro, às diferentes crenças religiosas, ao gênero (“menino não chora”, “menina usa rosa”,...), a orientação/identidade sexual, e às pessoas portadoras de deficiência física e/ou mental.

O que se observa em todos esses segmentos é o despreparo para atuar na RAÍZ das questões. Claro, que o mais exigido é o caro PROFESSOR.
Uma criança se sente discriminada pela cor da pele, pelo cabelo, pelas roupas que usa ou pelo brinquedo que gosta, simplesmente porque alguém riu ou fez brincadeiras maldosas a respeito de seu estereótipo ou de seus gostos pessoais.
PROPOSTAS DE COMBATE!
. Por este motivo, o preconceito deve ser trabalhado desde os primeiros anos da criança. 
. Conhecer outras realidades: levar os alunos a descobrirem a diversidade cultural à sua
volta (modos de vida, tipos físicos, ofícios, religiões, etc.).
. Diminuir a intolerância e os preconceitos (encarar o desenvolvimento de forma
tranquila e responsável).
. ENTENDER que TODOS têm valor e dignidade, merecendo respeito.
. IMPLEMENTAR a discussão, não apenas de biologia, mas de temas que envolvem conhecimentos das áreas de antropologia, sociologia, pedagogia, história, política e ética.
. Trabalhar os temas transversais.
. Na escola há várias sugestões de brincadeiras e inserções pedagógicas diárias que   
podem ser feitas para trabalhar o respeito à diversidade. 

PROPOSTAS PARA AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E EJA:
Baseado no projeto GRIOT Construindo Saberes

. PESQUISAS/ ESTUDOS/ DEBATES/REUNIÕES (toda comunidade escolar)
. JOGOS COOPERATIVOS
. JOGOS ADAPTADOS
. CULTURA POPULAR BRASILEIRA
. CULTURA E HISTÓRIA AFROBRASILEIRA
. FOLCLORE BRASILEIRO
. CAPOEIRA
. CULTURA, TRADIÇÕES E COSTUMES DE OUTROS POVOS, OUTROS GRUPOS SOCIAIS,...

As sociedades contemporâneas são heterogêneas, ou seja, compostas por diferentes grupos humanos, classes e identidades culturais em conflito. Vivemos em sociedades nas quais os diferentes estão constantemente em contato. O BOM SENSO é o caminho. Também existem as FERRAMENTAS LEGAIS: Leis (Lei 10.639/ 2003, A Constituição Brasileira, Lei contra o Racismo e Homofobia, entre outras...). É importante toda a comunidade escolar está ciente disso, para diminuir conflitos, e aumentar o exercício da cidadania.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada e bons ventos!

Vídeos

Loading...